Educação: A sala de aula e a prática pedagógica

Educação: A sala de aula e a prática pedagógica

De forma geral a educação pode ser considerada como uma ação de uma comunidade ou sujeito sobre o desenvolvimento do indivíduo com o propósito de que este indivíduo possa atuar na busca e aceitação de novos objetivos. Para isso, o homem deve estar consciente de seus planos e limitações, sendo capaz de entender e raciocinar sobre a realidade que o cerca, considerando como transformador social que procura solidariedade e respeito por cada um.

De acordo com o site do MEC o conceito de escola é:

 “escola o espaço no qual se deve favorecer, a todos os cidadãos, o acesso ao conhecimento e o desenvolvimento de competências, ou seja, a possibilidade de apreensão do conhecimento historicamente produzido pela humanidade e de sua utilização no exercício efetivo da cidadania”.

“Um ensino significativo, é aquele que garante o acesso ao conjunto sistematizado de conhecimentos como recursos a serem mobilizados”.

A educação é uma prática social que se constitui nas relações estabelecidas entre os indivíduos nas diversas instituições e movimentos sociais. Assim, a educação é efetivada de acordo com as características de cada sociedade pois reflete as relações sociais que nela ocorrem.

Dentro desse contexto, podemos afirmar que cada sociedade possui o seu sistema educacional para conseguir cumprir com as finalidades e a demandas existentes.

O que Libâneo pensa a respeito do trabalho do professor

Libâneo destaca algumas características importantes no que diz respeito ao trabalho do professor em um projeto educacional voltado para os anseios da maioria. Consequentemente podemos fazer a conexão ao trabalho da escola pública que deve:

  • Transformar a sociedade, de modo a eliminar as divisões sociais estabelecidas;
  • Desbarbarizar a humanidade no que concerne a preconceitos, a formas de opressão, ao genocídio, à violência, à tortura, à degradação ambiental, etc;
  • Conscientizar os indivíduos, tendo em vista a formação de sujeitos críticos, autônomos e emancipados;
  • Desenvolver uma educação integral, que favoreça o pleno desenvolvimento das potencialidades humanas;
  • Apropriar-se do saber social, que permita uma socialização ampla da cultura e a apreensão dos conhecimentos e saberes historicamente produzidos;
  • Formar para o exercício pleno da cidadania.

Os integrantes do ambiente escolar (gestores, professores, alunos e comunidade) são componentes fundamentais e precisam estar envolvidos nos projetos, programas e ações que promovam a produção do trabalho escolar, buscando a transformação e construção de uma escola, proporcionando também os mecanismos de participação colocando em prática a gestão democrática em função dos objetivos educacionais, construindo assim a cidadania e a melhoria na qualidade do ensino.

A escola deve buscar a mudança social e transformar em produção de novos saberes a partir dos conteúdos sistematizados e produzidos historicamente. Isso tudo ocorre também quando o professor realiza um trabalho de qualidade, proporcionando aos educandos desenvolverem seus conhecimentos, habilidades, atitudes e valores que são indispensáveis para a cidadania.

Considerações da educação escolar

É importante destacar que não basta se preocupar apenas com as questões burocráticas para que haja a concretização da qualidade social da educação escolar. 

É preciso considerar outras questões que comprometem o desenvolvimento do processo educativo como por exemplo, o contexto socioeconômico-cultural dos estudantes, família, organização da escola e a participação efetiva da comunidade. As práticas curriculares e ações pedagógicas também fazem parte desse processo que deve levar em consideração as diversas formas de avaliação e o funcionamento da escola de maneira geral.

Assim, é necessário a articulação entre os fatores internos e os fatores externos à escola.

Currículo escolar

Dentro desse contexto não podemos deixar de mencionar o currículo e sua compreensão histórica dentro da organização do trabalho escolar na escola pública. O currículo, os objetivos e a forma de organização da gestão devem ser elaborados com base nas exigências sociais, políticas e econômicas da sociedade.

Libâneo afirma que “a escola pública brasileira vem passando por mudanças, em um processo contraditório em que se juntam aspectos positivos e negativos”.

Dos anos 70 até os dias atuais, a escola púbica vem sofrendo mudanças significativas que ampliaram o acesso à escolarização, favorecendo setores excluídos da população. Mesmo assim, ainda encontramos na escola o grupo da classe dominante que possuem direitos já garantidos.

Com a democratização do acesso e pouco investimento nos recursos para o ensino obrigatório, as condições de ensino tornaram-se problemáticas, o salário dos profissionais da educação encontra-se em um nível precário sendo o investimento na formação profissional dos docentes insuficiente, caindo assim a qualidade do ensino.

Dentro desse contexto, a construção da escola pública brasileira é ainda uma ação inacabada. A educação escolar juntamente com a organização curricular e pedagógica devem ser frequentemente avaliadas pelos professores, escolas, MEC, secretarias de educação, Conselho Nacional, Conselhos Estaduais e Municipais.

A prática dos professores e a participação da comunidade concretiza o Currículo Oficial nas escolas. Esses participantes devem ser envolvidos de forma permanente na elaboração e formulação traçando estratégias de execução a favor do desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem com qualidade.

Função social

Desse modo, podemos dizer que a escola em sua função social encontra-se dependente da necessidade de preparar os educandos para a atuação na sociedade proporcionando ao aluno expandir conhecimento, capacidade e habilidade com o intuito de diminuir a falta de saber ou até mesmo a ignorância, permitindo o educando exercer o seu papel de cidadão. Essa função social permite também que o indivíduo se qualifique com adequação profissional, já que qualquer profissão, exige conhecimento.

A escola é o ambiente social em que professores e alunos interatuam na construção do saber!

Referências:

http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aescola.pdf

Libâneo, José Carlos. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012.

Fabiana Firmino

Fabiana Firmino

Pedagoga formada pela Universidade de Brasília é especialista em Gestão/Orientação educacional e Docência no Ensino Superior. Atuou como coordenadora pedagógica, desempenhando as funções de administração escolar, orientação de professores e alunos; planejamento de estudo; preparação emocional dos estudantes e coordenação de projetos. Atua como educadora, após aprovação em concurso público da Secretaria da Educação do DF. É professora de cursos preparatórios, e ministra os conteúdos de conhecimentos Pedagógicos, com ênfase em concursos públicos.

INSCREVA-SE GRÁTIS

Scroll Up